Dicas e informações sobre casa e construção

Tipos de pinturas residenciais: interna e externa

Veja quais são as diferenças do tratamento de paredes e pinturas internas e externas, com o uso da tinta Látex PVA para uso interno e da tinta acrílica para uso em paredes externas ou que recebam algum tipo de unidade.

As empresas de pintura procuram sempre inovar, sendo que as cores nas paredes internas e externas representam coisas, ajudando a conservar e criar uma identidade para um local.

As pinturas residenciais são uma forma de mostrar personalidade e, até definir conceitos, dando valor e sendo distinguidas de outros imóveis. São vários os tipos de pinturas residenciais em que podem ser usadas tintas acrílicas, látex, esmaltes, vernizes, entre outras.

Existem vários estilos de pintura: pinturas niveladas com cores básicas, pinturas niveladas coloridas, pinturas texturizadas, pintura com combinação de cores variadas no mesmo local, paredes pintadas com papéis de parede, pintura com

brilho, pintura fosca e acetinadas, etc. Tudo vai de acordo com o gosto, pois a pintura é parte de um projeto decorativo.

As pinturas residenciais feitas por pintores profissionais garante um melhor resultado no acabamento.

Além disso, ajuda com o tempo gasto, pode ajudar a diminuir o impacto na rotina da casa, atenção para fazer o projetado, um uso proveitoso da quantidade de tinta, segurança na realização do serviço.

Textura

Textura riscada

Os projetos com textura se destacam ainda mais em obras residenciais de qualquer tamanho. A pintura com textura de parede são um elemento decorativo bem econômico que combina com qualquer ambiente. Ela ajuda criar um belo destaque nas paredes, nos nichos, no teto, ou quaisquer outras superfícies. Os desenhos valorizam e dão um toque especial que diferenciam o imóvel. As principais texturas usadas são:

  • Textura lisa (ou quase)  – ela mais suave e não é muito nítido. Você pode ver aqui nesta galeria alguns exemplos.
  • Textura desenho – ela exige mais da criatividade, utilizando técnicas que ajudam a destacam por meio de efeito 3D. Criar desenhos com texturas pode ser bacana em muitos ambientes, mas é necessário cuidado e um bom profissional para fazer. Veja aqui exemplos.
  • Textura grafiato – trata-se da textura criada por meio de ranhuras rústicas, com espessuras em forma de risco, intercalando algumas sutis com outras em alto relevo. Este tipo de textura tornou-se bastante comum nos últimos anos e pode ser encontrado largamente tanto em construções de alto, médio ou baixo padrão. Veja exemplos.
  • Textura micrograff – são pontos minúsculos colocados de maneira ordenada que criam um efeito único visualmente e agradável ao toque. Veja exemplos aqui.
  • Textura projetada – ela é mais decorativa e em muitos casos dá uma acabamento mais interessante, talvez por deixar a textura mais suave. Veja exemplos aqui.

Independente da textura escolhida, é preciso encontrar uma mão de obra especializada, porque a técnica exige que o aplicador tenha habilidade e conhecimento para produzir o efeito desejado. Elas podem ser coloridas ou contrastando com o branco, personalizam ambientes.

As tintas usadas devem conter os substratos e aditivos que proporcionam uma alta durabilidade e com impermeabilização das superfícies. Elas permitem que a limpeza da superfície seja feita tranquilamente onde o material foi aplicado, aumentando a durabilidade do trabalho.

Esse tipo de pintura ajuda a corrigir algumas imperfeições, que são mais difíceis de resolver e que poderiam comprometer o resultado na residência. Uma grande vantagem é que não é preciso usar equipamentos ultramodernos para que os desenhos fiquem em sintonia com o ambiente.

Economia

Em relação à economia, as pinturas com textura são a melhor opção para não sair orçamento. O trabalho é mais ágil, causado menos sujeira, pode ser facilmente aplicada e com maior rendimento do material. Ela pode ser feita em qualquer cômodo da casa ou do apartamento, simplificando a decoração e valorizando o ambiente.

Tipos de tintas

Há muitos tipos de tintas no mercado, com um tipo de tinta específico para cada aplicação: área interna ou externa, área molhada ou seca. São dois, os grupos de classificação das tintas: tintas à base de água e tintas à base de solventes ou óleos. Mas, atualmente, usa-se apenas tintas à base de água para pintar as paredes, que são as chamadas tintas látex.

Tinta Látex PVA

Também conhecida como vinil acrílica, é feita de acetato de polivinila e solúvel em água. Não resiste a umidade, sendo recomenda para a parte interna. Elas possuem boa cobertura, pouco odor e secam rápido.

Tinta acrílica

Também é solúvel em água, mas possui resinas acrílicas que fornecem alta impermeabilidade. É indicada para áreas externas e internas, tanto secas quanto molhadas, e podem ser lavadas.

A tinta acrílica acetinado possui pouco brilho que diminui as imperfeições da parede, com uma limpeza fácil. A tinta acrílica fosco proporciona um efeito visual opaco e absorvente, com aspecto aveludado que disfarça melhor as imperfeições. Já a tinta acrílica brilhante é a com mais brilho, mas evidencia qualquer defeito na pintura.

Classificação de acordo com o acabamento

Também é comum definir o tipo da tinta de acordo com o acabamento dela e neste caso são três: fosco, acetinado e semibrilho.

  • Fosco: é um tipo de acabamento sem brilho e não pode ser lavável ou pelo menos não tem essa característica. É muito indicada para áreas internas.
  • Acetinado: Contem um pouco de brilho e permite ser lavável. Pode ser usada tanto em ambientes internos ou externos.
  • Semibrilho: Tem um acabamento muito brilhante e pode ser lavável, portanto, muito indicado para áreas onde a necessidade de lavagem seja maior ou para áreas onde há maior incidência de água.

Por Redação e G Produções Editoriais

Com informações da seção de tintas Acessórios da Leroy Merlin

Gostou? Compartilhe




© 2012-2019 | Casa Dicas | Deus seja Louvado | Política de Privacidade